É do direito de todos os cidadãos portugueses, por meio do Serviço Nacional de Saúde, terem acesso a um médico de família, visto ser essencial para a promoção do seu bem-estar. Em Portugal, o sistema de saúde atribui um médico de família a cada utente, contudo nem sempre é um processo simples, por isso é necessário compreendê-lo para que possa garantir que não perde esse direito.

Como funciona o sistema de saúde português?

Primeiramente, é essencial que compreenda o sistema de saúde no qual está inserido. Por direito, cada utente individual tem direito a um médico de família que será o seu ponto de ligação entre os cuidados de saúde e o centro de saúde. Desta forma, consegue um acompanhamento e respetivo encaminhamento adequado, seja dentro dos serviços disponibilizados pelo seu centro de saúde, seja para serviços externos.

Requisitos necessários para o acesso a um médico de família

Para que possa ter acesso ao médico de família, deve estar inscrito no centro de saúde que corresponde à sua área de residência, sem este passo não será possível! Deve apresentar-se no local, com os seus documentos para que possam agilizar todo o processo em conformidade com a lei e os seus direitos enquanto utente. Se ainda não sabe qual o centro de saúde mais próximo da sua área de residência encontre aqui.

Atribuição do médico de família pelo SNS

Tal como mencionado anteriormente, o Serviço Nacional de Saúde é o principal responsável pela atribuição de médicos de família em Portugal. É importante que mantenha sempre os seus dados atualizados para que não perca esse direito e, caso necessite no site do SNS poderá consultar de forma detalhada sobre o acesso e atribuição de cada médico de família.

Prioridades na atribuição de médico de família

O SNS estabelece, naturalmente, alguns critérios quando atribui os médicos de família, dando ênfase a situações de maior vulnerabilidade. Comprovando-se assim a importância de manter os seus dados sempre atualizados de maneira que, em determinadas condições de saúde possa ter acesso aos tratamentos mais adequados e necessários, de forma acessível.

Conclusão

Ser-lhe atribuído um médico de família é um direito que lhe assiste enquanto cidadão de Portugal. É importante que todos os utentes tenham conhecimento do processo, que o compreendam para que possam garantir ter acesso a tudo o que necessitam, sobretudo para pessoas com carências especiais em termos da sua condição de saúde. O médico de família irá contribuir para uma abordagem preventiva e uma melhor qualidade de vida.

Fontes: Serviço Nacional de Saúde (SNS), CGD, DecoProteste

Responder